Wikileaks e o Golpe de Estado em Honduras

Wikileaks é uma organização coberta por um véu de mistério, mas fornece um serviço precioso à sociedade civil internacional ao expor informações coletadas, mas mantidas sob sigilo, pelos governos de vários países.

Obviamente, as informações que recebem maior cobertura na imprensa internacional são aquelas que tratam de eventos considerados mais centrais na política internacional, como os conflitos no Iraque e no Afeganistão, assim como as tensões com o Irã ou a Coréia do Norte sobre o tema da não-proliferação de armas nucleares.  Muita ênfase também foi dada ao caráter deliberado de certas políticas norte-americanas, como o tratamento de prisioneiros na “guerra contra o terrorismo”, ou incidentes envolvendo mortes de civis no Iraque ou no Afeganistão .

Mas eventos ‘periféricos’ também são capturados nos documentos vazados que Wikileaks publica. É o caso, por exemplo, da mensagem diplomática emitida pela Embaixada americana logo após o golpe de Estado em Honduras (discussão sobre o golpe nesse outro blog, e sobre o papel do Brasil  aqui). O governo americano foi informado por seu Embaixador do caráter ilegal do golpe e da ilegitimidade do regime golpista, em termos absolutamente claros. Ainda assim a administração Obama tergiversou sobre como caracterizar o ocorrido, por razões de caráter econômico e de equilíbrio geopolítico regional. O resultado é um impasse que dura até o momento atual, com Honduras ainda excluída de fóruns internacionais, embora um certo grau de ‘normalização’ esteja ocorrendo…

Passagens do comentário da Embaixada:

19. (C) The analysis of the Constitution sheds some interesting light on the events of June 28. The Honduran establishment confronted a dilemma: near unanimity among the institutions of the state and the political class that Zelaya had abused his powers in violation of the Constitution, but with some ambiguity what to do about it. Faced with that lack of clarity, the military and/or whoever ordered the coup fell back on what they knew — the way Honduran presidents were removed in the past: a bogus
resignation letter and a one-way ticket to a neighboring  country. No matter what the merits of the case against  Zelaya, his forced removal by the military was clearly  illegal, and Micheletti’s ascendance as “interim president” was totally illegitimate.

20. (C) Nonetheless, the very Constitutional uncertainty that presented the political class with this dilemma may provide the seeds for a solution. The coup’s most ardent legal defenders have been unable to make the intellectual leap from their arguments regarding Zelaya’s alleged crimes to how those allegations justified dragging him out of his bed in the night and flying him to Costa Rica. That the
Attorney General’s office and the Supreme Court now reportedly question the legality of that final step is
encouraging and may provide a face-saving “out” for the two opposing sides in the current standoff.

A análise da Embaixada é bem fundada e pragmática. Lamentável que o State Department tenha decidido privilegiar velhas famílias aliadas, ao invés do povo hondurenho. É claro que há uma longa tradição de intervencionismo, especialmente na América central.

PS. Para os curiosos, eis quatro ‘telegramas’ da embaixada americana em Brasília, sobre a cooperação em termos de combate ao terrorismo.

 

0 Responses to “Wikileaks e o Golpe de Estado em Honduras”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: